Tapirapé e Karajá: as idas e vindas de um contato cultural

Eduardo Rivail Ribeiro & Walkíria Neiva Praça
(University of Chicago & UnB)

Este trabalho discute empréstimos lingüísticos e culturais entre os Tapirapé (Tupí-Guaraní) e Karajá (Macro-Jê), povos indígenas do Rio Araguaia que vêm mantendo contato mais ou menos íntimo ao longo dos últimos séculos. As tradições orais de ambos os grupos registram que, além de contatos comerciais (e, não raramente, hostis) entre os Tapirapé e os Karajá propriamente ditos (habitantes do braço principal do Rio Araguaia), teria havido intensos contatos entre os Tapirapé e um subgrupo Karajá em particular, os Javaé, que habitavam tradicionalmente o interior da Ilha do Bananal. Contatos mais recentes — e ainda em curso — envolvem os Tapirapé e os Karajá da Barra do Tapirapé (dialeto Karajá do Norte), resultando em vários casamentos interétnicos e uma situação de bilingüismo doméstico.

Além de servir para corroborar episódios registrados na história oral de ambos os grupos, o estudo dos empréstimos lingüísticos serve para ilustrar diferentes tipos (ou "camadas") de relações culturais, desde contatos comerciais superficiais a contatos culturais mais íntimos, resultantes da coabitação entre indivíduos de ambos os grupos. A continuidade do contato entre os Karajá do Norte e os Tapirapé, em particular, vem deixando uma marca profunda em vários aspectos da vida cotidiana, com conseqüências lingüísticas à primeira vista paradoxais — um grande influxo de empréstimos lexicais em Tapirapé, por um lado, e, por outro, alterações na sintaxe do Karajá falado por membros de famílias mistas —, mas que encontram explicação na interessante dinâmica do contato entre ambos os grupos.

(VI Encontro Macro-Jê, Goiânia, em 13 de novembro de 2008)

page 1 of 9123...89next »
This site is part of the Etnolinguistica.Org network.
Except where otherwise noted, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.