Bibliografia Crítica da Etnologia Brasileira, Volume II (Baldus 1968)

A transcrição dos 1049 verbetes contidos no segundo volume da Bibliografia Crítica da Etnologia Brasileira foi concluída em janeiro de 2019. O volume inclui, ainda, 58 acréscimos (novas edições, reimpressões, etc.) referentes a items incluídos no primeiro volume.


BARBOZA, L. B. Horta

Êste relatório cujo original se encontra no arquivo do Serviço de Proteção aos Índios contém interessantes dados sôbre a produção agrícola dos Guarani de Araribá e sôbre a mortandade causada por epidemias entre os Kaingang recém-pacificados.


* * *


BARRETO, Felícitas

  • Danzas indígenas del Brasil. Prólogo de Miguel León Portilla. Tradução do português de Alberto Estrada Quevedo. México 1960. xi, 138 pp. in-8° gr., 50 pranchas no texto. Bibliografia.

Êste livro é de concepção tão primária que se hesita falar em desonestidade. Sem dúvida, porém, a Bibliografia, composta a esmo, tem a finalidade de iludir o ignorante no assunto, dando-lhe a impressão de se tratar de obra científica. Não são indicadas as fontes dos dados confusamente aproveitados no texto, sendo silenciados também os nomes dos fotógrafos do belo material ilustrativo. Por incrível que pareça, a presente publicação, aliás em edição de luxo, é do Instituto Indigenista Interamericano, tendo o diretor desta benemérita organização se prestado a prefaciá-la.
Cf. as críticas de Egon Schaden na Revista de Antropologia, IX, São Paulo 1961, pp. 134-135.


* * *


BAUER, Wilhelm P.

  • Die Curare-Pfeilgifte des Museums für Völkerkunde in Wien. Archiv für Völkerkunde, XVII/XVIII, Wien 1962-1963, pp. 8-21, 2 tabelas no texto, 4 figuras em 2 pranchas fora do texto, resumos em inglês, francês e italiano.

Análises químicas e toxicológicas de venenos de flechas de diversas tribos da Amazônia, quase todos da coleção Natterer existente no Museu Etnográfico de Viena. Digno de nota é que êstes, apesar de terem mais de 130 anos, conservam sua eficácia mostrando a ação paralisante sôbre o sistema nervoso periférico tão característica do curare.


* * *


BAUER, Wilhelm P.

  • Der Curare-Giftkreis im Lichte neuer chemischer Untersuchungen. Baessler-Archiv, N. F., XIII, Berlin 1965, pp. 207-253, 9 figuras, 3 mapas e 4 tabelas no texto, 1 mapa e 4 tabelas fora do texto, resumo em inglês. Bibliografia.

Exame químico e toxicológico de numeroso material de veneno de flechas de tribos do Brasil e de outros países sul-americanos.


* * *


BECHER, Hans [1918-]

Sinopse do material brasileiro no Museu Etnológico de Hamburgo, destacando-se as coleções de Koch-Grünberg, Nimuendajú, Baldus, Frič e Caspar.


* * *


BECHER, Hans

  • Das Akkulturationsproblem in der Völkerkunde Brasiliens. Sociologus, N. S., V, n. 2, Berlin 1955, pp. 175-179. Bibliografia. ― Reproduzido, com acréscimos, sob o título Der Kulturwandel bei den Indianern, em Südamerika, VI, n. 6, Buenos Aires 1956, pp. 562-566. Bibliografia.

Esta sinopse de estudos sôbre problemas de aculturação entre índios do Brasil contribui para melhor conhecimento dum capítulo da História da Etnologia Brasileira.


* * *


BECHER, Hans

  • Cintos e cordões de cintura dos índios sul-americanos (não-andinos). Tradução de Frei Joaquim da Silva. Revista do Museu Paulista, N. S., IX, São Paulo 1955, pp. 7-179, 12 pranchas fora do texto, resumos em inglês e alemão. Bibliografia. ― O artigo intitulado Gürtel südamerikanischer Indianer (Südamerika VI, n. 2, Buenos Aires, 1955, pp. 183-187, 12 figuras no texto) é recapitulação do presente trabalho.

Esta tese de doutoramento cujo original alemão inédito foi aceito pela Universidade de Hamburgo, constitui importante contribuição para o estudo da cultura material dos índios do Brasil. É dividida em três partes. A primeira descreve os cintos, classificando-os segundo a matéria-prima e indicando a distribuição geográfica. A segunda parte trata resumidamente das formas dos cintos e cordões de cintura, mostrando a terceira as suas diversas funcões.


* * *


BECHER, Hans

  • Tribos existentes entre o rio Catrimáni e o rio Negro. Revista de Antropologia, IV, n. 2, São Paulo 1956, pp. 158-159.

Lista de nomes de tribos ditados ao autor por um cacique dos índios Surára. Resta localizá-las.


* * *


BECHER, Hans

  • Die Yanonámi. Wiener Völkerkundliche Mitteilungen, V, Nr. 1, Wien 1957, pp. 13-20, 1 mapa fora do texto. Bibliografia.

Subsídios para a classificação dos indígenas da região compreendida entre o rio Branco, o rio Uraricuera, a serra Parima e o rio Negro. O autor propõe o nome Yanonámi para designação comum das hordas dos Waiká, Xiriána, Surára e Pakidái, cultural e lingüìsticamente parentes.


* * *


BECHER, Hans

  • A importância da banana entre os índios Surára e Pakidái. Revista de Antropologia, V, n. 2, São Paulo 1957, pp. 192-194.

O autor declara constituir a banana a base alimentar dessas tribos da região dos rios Demini e Aracá, indica os nomes de suas variedades, descreve as maneiras de seu preparo, enumera o seu emprêgo em oportunidades especiais, por exemplo, "durante a grande festa comemorativa dos mortos" quando "os homens bebem mingau de bananas com que se tenham misturado as cinzas dos ossos de companheiros da tribo". Reproduz, por fim, um mito da origem daquela planta útil.


* * *


BECHER, Hans

  • Bericht über eine Forschungsreise nach Nordbrasilien in das Gebiet der Flüsse Demini und Aracá. Zeitschrift für Ethnologie, LXXXII, Braunschweig 1957, pp. 112-120, 1 mapa no texto. ― Versão espanhola em Trabajos y Conferencias, II-3, Madrid 1958, pp. 149-160, 4 pranchas fora do texto.

Êste relatório da viagem realizada pelo autor, de 1955 a 1956, na região do Demini e de seu afluente Aracá, bacia do rio Negro, contém ligeiras notas sôbre os Pakidái e Surára. Apareceu também, abreviado e modificado, sob o título "Im Rio-Negro-Gebiet Amazoniens", na revista Südamerika, IX, n. 2, Buenos Aires 1958, pp. 133-140, 6 figuras no texto.
Boas fotografias a respeito foram publicadas no artigo do mesmo autor, intitulado Per la prima volta un uomo bianco sul Rio Demini, Atlante, Anno IV, n. 10, Novara 1963, pp. 390-400, 18 figuras (7 coloridas) e 1 mapa no texto.


* * *


BECHER, Hans

  • Nordamazonien. Erlebnisse während einer völkerkundlichen Forschungsreise. Erdkunde in der Schule, 3. Jahrgang, Heft 3, Hagen 1958, pp. 49-54.

Impressões de viagem, contendo ligeiras referências aos Surara e Pakidái.


* * *


BECHER, Hans

  • Xelekuhahé. Das Stockduell der Surára- und Pakidái Indianer. Ein Beitrag zum Problem der "Nilotenstellung" und der Tonsur in Südamerika. Mitteilungen aus dem Museum für Völkerkunde in Hamburg, XXV. Hamburg 1959, pp. 162-167, 6 figuras no texto. Bibliografia.

Descreve o duelo em que êsses índios costumam bater-se com paus por causa de adultério. A fim de diminuir a fôrça da pancada na cabeça do contendor, cada qual, no momento de desferir o golpe, sustenta-se somente sôbre a perna direita, ao mesmo tempo que apoia nela o peito do pé da outra perna. A tonsura serve-lhes para marcar a parte mais resistente do crânio, sendo oferecida como alvo ao adversário e, por isso, estando coberta de cicatrizes em quase todos os homens.


* * *


BECHER, Hans

  • Die Stellung des Kindes bei den Surára- und Pakidái Indianern. Ärztliche Jugendkunde, 52. Jahrgang, Heft 3/4, Leipzig 1959, pp. 104-111, 4 figuras no texto. Bibliografia.

Trata do ciclo de vida do indivíduo entre êsses índios, no que se refere à infância. Destacam-se as observações sôbre o defloramento da menina depois de completar o primeiro ano de idade, os costumes ligados à primeira menstruação, os nomes, os jogos, o casamento e a morte.


* * *


BECHER, Hans

Trata não somente da religião dessa tribo do alto Aracá, acrescentando algumas lendas, mas também de outros aspectos de sua cultura.


* * *


BECHER, Hans

  • Die Surára und Pakidái, zwei Yanonámi-Stämme in Nordwestbrasilien. Mit Anhang: Über die Sprache der Surára und Pakidái von Aryon Dall'Igna Rodrigues. Mitteilungen aus dem Museum für Völkerkunde in Hamburg, XXVI. Hamburg 1960. viii, 138 pp. in-8°, 29 figuras no texto, 50 figuras e 1 mapa fora do texto, índice alfabético de matérias. Bibliografias.

Esta importante monografia contém os resultados duma pesquisa realizada pelo autor, de outubro de 1955 a junho de 1956, entre essas tribos da bacia do Demini, afluente esquerdo do médio rio Negro. Depois de tratar ràpidamente da flora, fauna e dos representantes da nossa civilização na região situada entre o Demini e seu tributário Aracá (pp. 1-4), território daqueles índios, o autor estuda sua classificação étnica propondo a designação Yanonámi para êles e seus parentes culturais e íingüísticos da Amazônia setentrional (p. 5-6). Seguem alguns dados históricos (pp. 7-9) e observações sôbre a aparência física (pp. 9-10). O capítulo mais extenso é o intitulado "Tecnologia e cultura material" (pp. 10-57) que versa, acompanhado de excelentes ilustrações sôbre formas de casa, pontes, armas, aparelho ignígeno, fiação, traje e adôrno, rêdes de dormir, trançados, faixa de carregar crianças, vasilhames, instrumentos e o preparo do urucu. Sob o título "Organização social" trata o capítulo seguinte (pp. 57-90) de demografia e sistema político, ciclo de vida do indivíduo, guerra, aquisição do sustento, alimentação, animais domesticados, narcóticos e higiene. O capítulo "Religião e magia" (pp. 91 a 113) abrange cosmogonia, pajelança, festas religiosas, diversos feitiços e esportes. Uma parte dos dados sôbre pajelança (pp. 96 a 100) saiu também, sob o título "Eine Krankenbehandlung bei den Surára-Indianern" no Informationsblatt für das Amazonas-Hospital Albert Schweitzer, II, Hamburg 1960, pp. 14-17 e 19, 5 figuras no texto. O capítulo "Mitos e lendas" (pp. 113-115) dá a versão alemã de alguns curtos textos já publicados em português na Revista do Museu Paulista, N. S., XI (B. C. 1880). Por fim há ligeiras notas sôbre "Caráter e modo de pensar" (pp. 115-117), "Capacidades intelectuais" (pp. 117-118) e "Contar e conceito do tempo" (p. 119).
Em apêndice, Rodrigues demonstra por meio dum vocabulário comparativo os graus de parentesco do surára e pakidái com waika, karimé, xirianá e warema (pp. 134-138).
Cf. os comentários de W. D. Hohenthal no American Anthropologist, LXIV, n. 4, Menasha 1962, pp. 882-884; Günther Hartmann em Baessler-Archiv, N. F., X, Berlin 1962, pp. 158-159; T. S. Barthel em Tribus, XI, Stuttgart 1962, pp. 190-192; Herbert Baldus em Sociologus, N. S., XIII, Berlin 1963, p. 192; Helmuth Fuchs em Anthropos, LVIII, fase. 1/2, St. Augustin 1963, pp. 290-293; Thekla Hartmann na Revista de Antropologia, XI, São Paulo 1963, pp. 137-138.


* * *


BECHER, Hans

Breve notícia biográfica sôbre Feldner (1772-1822) antecede as ligeiras notas sôbre os referidos índios tiradas do segundo volume de «Reisen durch mehrere Provinzen Brasiliens», pp. 141-152. Observava Becher que esta obra póstuma do técnico de mineração alemão, publicada em Liegnitz, no ano de 1828 (2 volumes, de 182 e 259 páginas, respectivamente), contém, ainda, um vocabulário botocudo.


* * *


BECHER, Hans

  • Dringende ethnologische Forschungsaufgaben in Nord westbrasilien. Akten des 34. Internationalen Amerikanisten kongresses (Wien 1960), Wien 1962, pp. 95-103. Bibliografia. ― Saiu também no Bulletin of the International Committee on Urgent Anthropological and Ethnological Research, V, Vienna 1962, pp. 117-125. Bibliografia.

Chamando a atenção para as possiblidades de pesquisas etnográficas na área compreendida entre o rio Branco, o rio Uraricuera, a Serra Parima e o rio Negro, o autor resume os nossos conhecimentos referentes à população indígena dessa região.


* * *


BECHER, Hans

  • Yanonámi. Neue wissenschaftliche Erkenntnisse über die älteste Bevölkerungsgruppe Amazoniens. Vortragsreihe der niedersachsischen Landesregierung zur Förderung der wissenschaftlichen Forschung in Niedersachsen, Heft 23. Göttingen 1962, 28 pp. in-8°, 15 pranchas e 1 mapa fora do texto. Bibliografia.

Identifica êsses índios com os "Yanoáma" de Zerries e Schuster (p. 6), mencionando a informação de ser o "povo Yanonámi" dividido em duas tribos antagônicas: os Xiriána e os Waiká (p. 7). Aliados dos Xiriána são os Surára e Pakidái (ib.) estudados pelo autor em pesquisas de campo cujos resultados são resumidos no presente trabalho.


* * *


BECHER, Hans

  • Relações intercontinentais pré-colombianas entre América e Ásia Setentrional, tendo em vista o entêrro combinado com deposição do corpo nas árvores e cremação posterior. Origens do Homem Americano, II Encontros Intelectuais de São Paulo, São Paulo 1964, pp. 296-303.

Com referência a êsse costume, o autor mostra analogias entre tribos yanonámi do noroeste brasileiro e povos da América do Norte e da Asia.


* * *

This site is part of the Etnolinguistica.Org network.
Except where otherwise noted, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.