Bibliografia Crítica da Etnologia Brasileira, Volume II (Baldus 1968)

A transcrição dos 1049 verbetes contidos no segundo volume da Bibliografia Crítica da Etnologia Brasileira foi concluída em janeiro de 2019. O volume inclui, ainda, 58 acréscimos (novas edições, reimpressões, etc.) referentes a items incluídos no primeiro volume.


TIBURTIUS, Guilherme

  • Schmuckgegenstände aus den Muschelbergen von Paraná und Santa Catarina, Südbrasilien. Pesquisas, Antropologia n. 6, Pôrto Alegre 1960, 61 pp., 9 figuras e 1 mapa no texto, 2 pranchas fora do texto, resumos em português e inglês. Bibliografia.

Descrição de 94 peças de osso, concha e pedra provenientes de sambaquis do litoral do Paraná e Santa Catarina, e classificadas pelo autor como "objetos de adôrno".


* * *


TIBURTIUS, Guilherme, e BIGARELLA, Iris Koehler

  • Objetos zoomorfos do litoral de Santa Catarina e Paraná. Pesquisas, Antropologia n. 7, Pôrto Alegre 1960. 51 pp., 13 pranchas no texto, resumos em alemão e inglês. Bibliografia.

Das 47 peças descritas no presente trabalho, a maioria foi encontrada em sambaquis. Trabalhadas quase tôdas elas em pedra e apenas algumas em osso de baleia, representam aves, mamíferos e peixes.


* * *


TIBURTIUS, Guilherme

  • Wildschweinhauer als Werkgeräte aus den Muschelhaufen von Paraná und Santa Catarina, Südbrasilien. Pesquisas: Antropologia nr. 11, Pôrto Alegre 1961, 28 pp., 5 pranchas fora do texto, resumos em português e inglês. Bibliografia.

Com base em 288 peças de sua coleção particular, o autor estuda os dentes (defesas) de porco-do-mato usados como instrumentos e encontrados em sambaquis do Paraná e de Santa Catarina, bem como os afiadores de xisto empregados na sua fabricação.


* * *


TIBURTIUS, Guilherme

  • O sambaqui Conquista (Nr. 9). Boletim Paranaense de Geografia, ns. 18-20, Curitiba 1966, pp. 71-126, 18 figuras no texto. Bibliografia.

Êste sambaqui, atualmente completamente destruído, vem sendo por nós visitado desde 1954 sendo que, desde êsse ano até 1962, conseguimos observar 28 perfís. Aproveitamos a progressiva demolição industrial para observar os perfís expostos e realizamos escavações parciais em diversos trechos, desde o centro até a periferia. Neste trabalho, será descrito apenas o material cuja localização foi comprovada exatamente. O sambaqui foi sendo desmontado e usado industrialmente, sem que qualquer instituição científica ou autoridade equivalente tomasse as necessárias medidas para salvaguardar o precioso material arqueológico que continha. Localizando e coletando ao menos parte dêsse material e descrevendo-o, estamos certos de incorrer em uma série de falhas desde que não foi possível realizar escavações sistemáticas." (p. 71).


* * *


TOLKSDORF, Fritz

  • Ethnographische Beobachtungen in Zentral-Brasilien. Nach Aufzeichnungen von … bearbeitet von Werner Lang. Zeitschrift für Ethnologie LXXXI, Heft 2, Braunschweig 1956, pp. 270-286.

É lamentável que uma revista outrora considerada uma das melhores no gênero publique, sob o título de "Observações etnográficas" ("Ethnographische Beobachtungen") um artigo tão pouco científico em forma e conteúdo como estas impressões de viagem aos Kalapalo, Kaiapó (Txukamarae e Gorotire), Karajá, Bororo e outras tribos do Brasil Central.


* * *


TOVAR, Antonio

Obra indispensável tanto para o lingüista como para o etnólogo. Prefaciando-a observa o autor: "En el mundo de las lenguas americanas existen, como entia multiplicata, nombres de grupos y tribus, dialectos y variedades, que seguramente no han existido nunca. El problema de las sinonimias es también abrumador. Pero la vida precaria de muchos grupos indígenas, tanto ahora como en el pasado, y la escasa atención que se les ha concedido muchas veces, hace muy difícil la solución de estos problemas. Mientras se esclarecen en lo que aún sea posible, hemos acumulado informes, sumando nombres y nombres, referencias antiguas y modernas, que complican de modo insoluble la cuestión del número de las lenguas sudamericanas. En el índice he incluido, a trueque de pasar por minucioso en demasía, todas las formas que he hallado en las fuentes más seguras. Los nombres de tribus aparecen en el texto y en el índice revueltos con los de lenguas. Sólo cuando éstas tienen una denominación muy definida he prescindido de las denominaciones etnográficas, que en este caso tienen menos interés para el lingüista. En realidad la lingüística de esta parte del mundo no se ha desprendido de la etnología, y si bien no seremos nosotros quienes nos opongamos a que la relación entre ambas disciplinas se mantenga íntimamente, todavía en las extensas zonas en que la lingüística tiene aún poco que decir, repetimos insatisfechos los puros datos y enumeraciones de los etnólogos, mientras la lingüística alcance por sí misma resultados.,. (p. 9).
Com razão o autor pode declarar que sua bibliografia sôbre o assunto (pp. 201-370) "supera a todas las hasta ahora reunidas" (p. 11). Cf. os comentários de Ricardo L. J. Nardi em Cuadernos del Instituto Nacional de Investigaciones Folklóricas, III, Buenos Aires 1962, pp. 357-362, e de Carlos Drumond na Revista de Antropologia, XI, São Paulo 1963, pp. 127-128.


* * *


TOVAR, Antonio

  • El grupo mataco y su relación con otras lenguas de América del Sur. XXXV Congreso Internacional de Americanistas (México 1962), Actas y Memorias, II, México 1964, pp. 439-452, 4 mapas no texto.

Usando o método léxico-estatístico de Swadesh, o autor compara aquêle grupo lingüístico do Chaco com o bororo e o botocudo.


* * *


TRAGER, George L.

  • The Indian Languages of Brazil. International Journal of American Linguistics, XIV, n. 1, 1948, pp. 43-48.

O autor organizou com os dados apresentados no "mapa da distribuição dos idiomas indígenas no Brasil", publicado por Loukotka (B. C. 897) em 1939 (e não como se lê à p. 43, em 1936), duas listas alfabéticas contendo a primeira os nomes das línguas (com indicação de sua família e do Estado onde são ou foram faladas) e a segunda os nomes das famílias lingüísticas (relacionando alfabeticamente as línguas dentro das respectivas famílias).


* * *


VANZOLINI, P. E.

Lista de nomes de animais colhida pelo autor, zoólogo, entre aquêles Gê do Maranhão, e comentada por êle com considerações sôbre as noções de classificação zoológica da parte de seus informantes.


* * *


VÁRIOS AUTORES

  • Missões salesianas em Matto Grosso 1894-1908. s. l, s. a. (1908). 172 pp., 34 figuras em pranchas fora do texto.

Coleção de cartas de missionários contendo numerosas referências aos Bororo. As páginas 131-147 apresentam algumas notas sôbre a língua dêstes índios.


* * *


VÁRIOS AUTORES

  • S. P. I. ― 1953. (Rio de Janeiro) 1953. 143 pp. impressas em Multilith, 1 mapa no texto, 83 figuras em pranchas fora do texto.

Obra indispensável para conhecer o Serviço de Proteção aos Índios, a sua moderna orientação e as suas atividades. Várias informações e reproduções de fotografias têm grande valor etnográfico.


* * *


VÁRIOS AUTORES

  • S. P. I. ― 1954. Relatório das atividades do Serviço de Proteção aos Índios durante o ano de 1954. Mário F. Simões, Editor. Rio de Janeiro 1955. 208 pp. impressas em Multilith, 29 pranchas fora do texto.

A parte referente às atividades da Secção de Orientação e Assistência, chefiada por Eduardo Galvão, apresenta interessantes dados acêrca dos trabalhos de pacificação de várias tribos das bacias do rio Negro, Xingu, Tocantins e Guaporé (pp. 23-26). Nas informações a respeito das escolas para os índios, merece menção a observação de que os resultados dos estudos dos problemas da alfabetização na língua indígena "desaconselham sua adoção no Brasil" (p. 27). As páginas relativas à assistência médica cujo "objetivo principal" é "O combate à depopulação indígena" (p. 28), apresentam impressionantes dados sôbre a elevada mortalidade infantil (cêrca de 60 % entre os Kuikúro da região do Xingu) e a baixa fecundidade das índias (Kuikúro ― 30 mulheres adultas ― 109 partos, o que dá para cada mulher a média de 3,63 partos; Górotire ― 48 mulheres ― 124 partos ― 2,68 para cada; Karajá da aldeia Sta. Isabel ― 3,73; Xikrin e outros do Posto Indígena Las Casas ― 3,71): A descrição das atividades econômicas dos postos indígenas mostra as grandes diferenças na produção das diversas regiões do país. Impera, porém, a convicção de que "a economia é o veículo mais importante da integração do índio à comunidade nacional" e de que "não se trata de SPI produzir para o índio, mas de capacitá-lo técnica e materialmente a uma exploração mais produtiva dos recursos a seu alcance." (p. 32).
Na parte concernente aos trabalhos da Secção de Estudos chefiada por Darcy Ribeiro, chama êste etnólogo a atenção para a necessidade de estudos demográficos (pp. 56-57).
Na segunda metade do presente anuário, encontramos uma série de valiosos trabalhos escritos sob influência do Serviço de Proteção aos Índios. Cláudio e Orlando Villas-Boas descrevem a "Atração dos índios Txukahamãi", empreendimento realizado por êstes dois irmãos em 1953, dando ligeiras notas sóbre vários aspectos da cultura desta horda kaiapó da margem esquerda do Xingu à altura da cachoeira von Martius, e pequena lista de palavras de sua língua (pp. 79-88 e prancha XXII).
Darcy Ribeiro apresenta três contribuições, isto é, sob o título "Os índios e a valorização econômica da Amazónia", programas de pacificação de tribos hostis e da criação de uma rêde de "Colonias Indígenas de Fronteira" e de "Colonias de Penetração" (pp. 89-103); sob o título "O Serviço de Proteção aos Índios e as missões religiosas", um resumo daquilo que espera da cooperação dos missionários na defesa das terras dos índios, no impedimento de conflitos entre êstes e os neo-brasileiros e na suavisação de choques culturais (pp. 104-108); sob o título "Parecer sóbre o Projeto 4.824", uma magnífica defesa do S. P. I. contra êste projeto de Lei da Câmara com que o sr. Plínio Coelho propos a extinção dêste Serviço e sua substituição pelas missões religiosas (pp. 109-124).
Noel Nutels, médico do S. P. I., em "Cadastro torácico entre índios do Brasil Central" (pp. 125-130 e pranchas XXIV e XXV), apresenta relatório duma viagem realizada em 1952 que fêz parte da luta contra a tuberculose.
João Leão da Mota, outro médico do mesmo Serviço, escrevendo sôbre "A epidemia de sarampo no Xingu" (pp.131-141) que, de junho a outubro de 1954 ceifou 114 vidas, declara que ela tivera origem por ocasião duma visita feita por um índio kamaiurá a Xavantina a convite de "alguns civilizados" (p. 132). No que diz respeito à alta mortalidade, o autor a atribui mais à deficiência alimentar que à "tão decantada fraqueza do índio para as doenças epidêmicas do civilizado" (p. 136). Sôbre a mesma epidemia, trata também a "Informação" prestada pelo Dr. Lourival Seora da Motta (pp. 142-144).
O Dr. Amaury Sadock de F. Filho, no seu "Inquérito médico-sanitário entre os índios Xavánte" (pp. 145-172), depois de apresentar alguns dados demográficos acêrca dêsses Gê do rio das Mortes, e ligeiras notas sôbre certos aspectos de sua cultura, que observou em 1954, trata do estado de saúde dêles e, especialmente, de sua nutrição.
Medidas imediatas reclama o importante "Relatório de uma investigação sôbre terras em Mato Grosso" (pp. 173-184 e prancha XXVII) em que Roberto C. de Oliveira ventila particularmente o problema da área do futuro Parque Indígena do Xingu.
Encerra a presente publicação um relatório do "Levantamento do rio da Liberdade" (pp. 185-207 e pranchas XXVIII-XXIX), de autoria do Major-Aviador José Leal Netto, em 1954, que contém referências aos Juruna e aos Txukahamãi-Kaiapó.
O trabalho de Darcy Ribeiro sôbre "O Serviço de Proteção aos Índios e as missões religiosas" apareceu traduzido para o espanhol e o inglês no Boletín Indigenista, XVI, n. 4, México 1956, pp. 310-319. Seu relatório da Secção de Estudos (pp. 56-61) foi reproduzido nos Anais da II Reunião Brasileira de Antropologia, Bahia 1957, pp. 205-209, sob o título "Estudos de Etnologia Indígena".
Cf. o comentário de Herbert Baldus na Revista do Museu Paulista, N. S., XI, São Paulo 1959 pp. 272-275.


* * *


VÁRIOS AUTORES

  • The National Museum of Denmark. Copenhagen 1957. 327 pp. in-8° gr., 141 figuras no texto.

Nesta obra sôbre o Museu Nacional da Dinamarca, publicada em comemoração do centésimo quinquagésimo aniversário da sua fundação, acha-se reproduzido na página 211, com comentários na anterior, o quadro de um guerreiro tapúia, pintado por Albert Eckhout. Na página 212 estão descritos e na 213 reproduzidos dois antigos instrumentos de música artìsticamente esculpidos e procedentes da bacia central do Amazonas.


* * *


VÁRIOS AUTORES

  • Curare and Curare-like Agents. Edited by D. Bovet, F. Bovet-Nitti and G. B. Marini-Bettòlo. Amsterdam-London-New York-Princeton 1959, xi, 478 pp. in-16°, 201 figuras, 5 mapas e 59 tábuas no texto, índice alfabético de matérias. Bibliografias.

Êste volume reúne os trabalhos de um simpósio internacional realizado no Rio de Janeiro por especialistas de diversas disciplinas interessadas no estudo daquele veneno de flechas usado por índios sul-americanos. De importância especial para a Etnologia Brasileira são as contribuições de J. Vellard: "La preparation des curares indiens: légendes et réalités (pp. 3-33, 7 figuras); de Berta G. Ribeiro e José Candido de Melo Carvalho: "Curare: a weapon for hunting and warfare" (pp. 34-59, 6 figuras), contendo também dados sôbre a sarabatana; e de R. L. Fróes: "Les strychnées sud-américaines et leur utilisation dans la préparation des curares par les Indiens" (pp. 83-112, 1 mapa de distribuição geográfica, 53 figuras e 1 tábua).


* * *


VÁRIOS AUTORES

  • Série Lingüística Especial, n. 1. Publicações do Museu Nacional. Rio de Janeiro 1959, 263 pp.

Monografias bilíngües em inglês e português, preparadas pelo Summer Institute of Linguistics, sôbre o kokama, tikuna (tukuna), amawaka (amahuaca), amuexa (amuesha) e yágua. No prefácio observa J. Mattoso Camara Jr.: "Estamos certos que o presente volume será muito proveitoso para os estudiosos brasileiros, por lhes fornecer dados de primeira mão e uma sistematização em moldes modernos e seguros sôbre as línguas indígenas aí consideradas, ao mesmo tempo que a tradução portuguêsa lhes dará, com a nomenclatura técnica transposta em vernáculo, uma base para se iniciarem e consolidarem no Brasil estudos similares". (p. 7).


* * *


VÁRIOS AUTORES

  • Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas. Resultados preliminares do primeiro ano 1965/1966. Museu Paraense Emílio Goeldi, Publicações Avulsas N° 6, Belém-Pará 1967, 158 pp. in-8°, 11 mapas e 37 pranchas no texto, resumos em inglês. Bibliografias.

Simpósio sôbre Arqueologia Brasileira, realizado no XXXVII Congresso Internacional de Americanistas. A introdução é de Clifford Evans. Seguem notas sôbre as pesquisas realizadas por Eurico Th. Miller, no nordeste do Rio Grande do Sul; por Walter F. Piazza, no Estado de Santa Catarina; por José Wilson Rauth, no sambaqui do Pôrto Maurício; por Igor Chmyz, no vale do rio Paranapanema; por Fernando Altenfelder Silva, na área de Rio Claro, Estado de São Paulo; por Ondemar F. Dias Jr., nos Estados da Guanabara e do Rio de Janeiro; por Valentin Calderón, no médio São Francisco e na Chapada Diamantina, Estado da Bahia; por Nássaro A. de Souza Nasser, no Estado do Rio Grande do Norte; por Mário F. Simões, na área do alto Xingu. Encerram a importante publicação as considerações gerais de Betty J. Meggers.


* * *


VÁRIOS AUTORES

  • Indians of Brazil in the Twentieth Century. Contributions by Gertrude Dole, Dale W. Kietzman, Darcy Ribeiro, Eduardo Galvão, and Herbert Baldus. Edited and translated by Janice H. Hopper. ICR Studies: 2, Washington 1967. xxx, 256 pp. in-16°, 29 figuras numeradas, 18 mapas, 2 quadros e 6 tabelas no texto. Bibliografias.

No prefácio, Dole analisa o problema da classificação dos índios brasileiros em áreas culturais, assunto dêsse livro cuja parte principal é constituída pelas versões inglesas do trabalho de Ribeiro "Culturas e línguas indígenas do Brasil" aparecido em 1957, e de "Áreas culturais indígenas do Brasil; 1900-1959" que Galvão publicou em 1960 (B. C. 2557 e 2198). Valioso complemento a ambos êstes estudos é o artigo de Kietzman, intitulado "Indians and Culture Areas of Twentieth Century Brazil" que põe em dia as informações sôbre tribos existentes, seu número, sua localização e o grau da aculturação. A versão inglesa da "Sinopse da Bibliografia Crítica da Etnologia Brasileira 1953-1960" de Baldus, encerra a presente obra de consulta obrigatória para o estudioso dos índios do Brasil.


* * *


VÁSQUEZ, W.

  • Los Karayá: Una Sociedad Ágrafa. Separata da Revista de la Facultad de Humanidades y Ciencias, XVII, Montevideo 1959, 26 pp. in-8°, 3 figuras, 2 mapas e 1 gráfico no texto. Bibliografia.

Trata dos Karajá de Santa Isabel visitados pelo autor em fevereiro de 1956. Representa uma síntese de uma "edición analítica mecanografiada de 198 páginas." (p. 5). Embora trazendo pouco de novo, não está isenta de inexatidões. Assim classifica, por exemplo, como "el cacique ejecutivo" (p. 8) um índio que não passa de mero intermediário entre os seus companheiros de aldeia e os brancos. Estranho é ter o autor descoberto, no breve lapso de sua visita, o seguinte "Patrón de las actitudes básicas": " …el Karayá promedio no expresa excesiva dependencia de cariño de los demás. Su seguridad interior la exime de toda hipersensibilidad, auto-evaluación negativa (verbigracia: sentimiento de inferioridad) o de sentimientos de plusvalía (verbigracia: sentimiento de superioridad). Dependibilidad de fuerzas naturales. No se observan actitudes hostiles crónicas en sus relaciones interpersonales." (pp. 12-13).


* * *


VATTER, Ernst [1889-1948]

  • Religiöse Plastik der Naturvölker. Frankfurt am Main 1926, 194 pp. in-4°, 101 figuras no texto. Bibliografia.

Nesta obra sôbre a importância da religião nas artes plásticas dos povos-naturais, o autor apresenta estatuetas de madeira dos Maué e Kadiuéo conservadas nos museus de Munich e Stuttgart respectivamente (pp. 168, 170, 187 e figuras 100 e 101).


* * *


VAYDA, Andrew P.

  • Expansion and Warfare among Swidden Agriculturalists. American Anthropologist, LXIII, n. 2, part 1, Menasha 1961, pp. 346-358. Bibliografia.

Frisando a necessidade de se considerar, devidamente, no estudo da guerra das tribos lavradoras, os fatôres ecológicos, o autor se refere, especialmente, a trabalhos sôbre a função social da guerra tanto entre os Tupinambá como entre os Munduruku.


* * *

This site is part of the Etnolinguistica.Org network.
Except where otherwise noted, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.