Bibliografia Crítica da Etnologia Brasileira, Volume II (Baldus 1968)

A transcrição dos 1049 verbetes contidos no segundo volume da Bibliografia Crítica da Etnologia Brasileira foi concluída em janeiro de 2019. O volume inclui, ainda, 58 acréscimos (novas edições, reimpressões, etc.) referentes a items incluídos no primeiro volume.


SILVA, Alcionilio Bruzzi Alves da

  • Morte do chefe indígena da tribo Tucano. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, LIII, São Paulo 1956, pp. 119-123.

Interessantes dados acêrca do funeral entre êstes índios do noroeste amazonense.


* * *


SILVA, Alcionilio Brüzzi Alves da

  • Discoteca etno-lingüístico-musical das tribos dos rios Uaupés, Içana e Cauaburi. Ethnographic Record Collection of the Tribes of the Uaupés, Içana and Cauaburi Rivers. São Paulo 1961, 152 pp. in-8°.

O autor descreve e comenta, em português e inglês, suas gravações de música instrumental, canções e fonemas, apresentando, ainda, vocabulários e textos com tradução interlinear. Seu livro é um precioso repositório de material para a musicologia, lingüística, mitologia e etnologia em geral.
Cf. o comentário de J. Philipson na Revista de Antropologia, XI, São Paulo 1963, p. 139.


* * *


SILVA, Alcionilio B. Alves da

  • O Amazonas, as amazonas e os índios de cauda. Mundo Melhor, ano V, n. 59, São Paulo 1962, pp. 34/35, 37, 39, 41, 43, 45, 47-51, 2 figuras no texto.

Contém resumidas informações sôbre o estabelecimento das missões salesianas na Prelazia do rio Negro e as tribos desta área.


* * *


SILVA, Alcionilio Brüzzi Alves da

  • A civilização indígena do Uaupés. São Paulo 1962. 496 pp. in-8°, 53 figuras, 13 anotações musicais e 1 mapa no texto, 16 pranchas fora do texto. Bibliografia.

Estudo sistemático da etnografia da bacia do Uaupés tomando em consideração aspectos do passado e do presente. Embora de caráter essencialmente sintético, esta importante contribuição salesiana pormenoriza dados demográficos, religiosos e sociológicos a respeito das diversas tribos que, naquela região, estão em contacto com os missionários. Neste sentido e em muitos outros, a volumosa obra do padre Alcionílio é suplemento indispensável dos trabalhos de Koch-Grünberg (cf. B. C. 748 e 757).
Cf. o comentário de William H. Crocker no Handbook of Latin American Studies, XXVII, University of Florida Press, 1965, item 1251.


* * *


SILVA, Alcionilio Brüzzi Alves da

  • Estrutura da Tribo Tukano. Anthropos, LXI, Freiburg 1966, pp. 191-203.

Depois de tratar do habitat da família lingüística Tukano, enumerando 23 tribos dela, o autor estuda as suas "subdivisões ou classes genealógicas", dando a lista de 36 delas, agrupadas segundo a sua "importância".
A respeito destas subdivisões observa: "A Tribo, ou antes, a Nação Tukano apresenta, como tôdas as outras que povoam a bacia do Uaupés, subdivisões que se podem denominar gens porque correspondem à noção das subdivisões semelhantes dos antigos Romanos." (p. 203).


* * *


SILVA, Carlos Frederico dos Santos

  • Restos cerâmicos de cultura guarani em Santo Anastácio. Revista do Arquivo Municipal, CLVI, São Paulo 1953, pp. 91-94, 7 figuras no texto.

Descrição de cacos encontrados na região da Alta Sorocabana, oeste do Estado de São Paulo. A ornamentação mostrada nas figuras não deixa dúvida de sua origem guarani.


* * *


SILVA, Fernando Altenfelder [1916-], e BLASI, Oldemar

  • Escavações preliminares em Estirão Comprido. Anais do XXXI Congresso Internacional de Americanistas (São Paulo 1954), II, São Paulo 1955, pp. 829-845, 2 pranchas no texto.

Trata de escavações de esqueletos, cerâmica e artefatos líticos, escavações essas realizadas pelos autores, em 1954, numa jazida situada na margem esquerda do rio Ivaí, aproximadamente a doze quilômetros abaixo da foz do rio Areião, no município paranaense de Prudentópolis. Entre os fragmentos de cerâmica que figuram na prancha p. 837, há cacos com ornamentação tìpicamente guarani.


* * *


SILVA, F. F. Altenfelder

  • Achados de Lagoa Santa. Anhembi n. 88, São Paulo 1958, pp. 57-66.

Depois de passar em revista trabalhos anteriores sôbre o problema da antiguidade do chamado Homem de Lagoa Santa, o autor trata resumidamente dos resultados das pesquisas realizadas em 1956 pela expedição denominada "Projeto Lagoa Santa" e promovida por instituições norte-americanas e brasileiras. Chega à seguinte conclusão: "Perdura, pois, ainda, o problema da antiguidade do Homem de Lagoa Santa, pendendo a balança, contudo, para um passado não superior a uns poucos milhares de anos. Todavia, se as escavações do 'Projeto Lagoa Santa' não puderam confirmar a hipótese de uma grande antiguidade, mas ao contrário trazer novas dúvidas sôbre a mesma, isso porém, não exclui a hipótese de que futuros achados, nessas áreas, venham, devidamente documentados, revelar um 'Homem de Lagoa Santa' tão antigo como o esperavam Lund e os batalhadores de sua causa." (p. 66).


* * *


SILVA, Fernando Altenfelder

  • Contribuição para a arqueologia de Estirão Comprido. Anais da III Reunião Brasileira de Antropologia (1958), Recife 1959, pp. 113-118, 1 tabela no texto, 1 prancha fora do texto. Bibliografia.

Estuda a distribuição dos tipos de cerâmica de estilo guarani nessa jazida, baseando-se em resultados de escavações realizadas em 1955.


* * *


SILVA, Fernando Altenfelder

O autor compara os resultados de suas escavações numa jazida arqueológica tupi-guarani, situada no rio Ivaí, com outros achados de cerâmica dêsses índios, feitos nos Estados do Paraná e São Paulo, chegando à conclusão de que as jazidas naquele Estado são mais antigas do que algumas neste, "no que se refere à tradição tupí-guaraní" (p. 395).


* * *


SILVA, Fernando Altenfelder

  • Considerações sôbre a arqueologia brasileira. Revista do Museu Paulista, N. S., XIV, São Paulo 1963, pp. 431-438. Bibliografia.

Eis a conclusão principal dêste "balanço": "O que podemos apresentar, revelado pela nossa arqueologia, é muito pouco e quase todo êle concentrado ao redor das tradicionais áreas de interêsse: Marajó, Santarém, Lagoa Santa e Sambaquis. Mais recentemente, alguma atenção tem sido dedicada às jazidas abertas do litoral e interior, de tipo independente dos sítios tradicionais acima mencionados." (p. 432).


* * *


SILVA, Fernando Altenfelder, and MEGGERS, Betty J.

  • Cultural development in Brazil. Aboriginal cultural development in Latin America: An interpretative review. Edited by Betty J. Meggers and Clifford Evans. Smithsonian Miscellaneous Collections, CXLVI, n. 1, Washington 1963, pp. 119-129, figuras 15 e 16 (fora do texto). Bibliografia. ― Versão portuguêsa na Revista de Antropologia, XII, São Paulo 1964, pp. 11-21. Bibliografia.

Esta sinopse da Pré-história Brasileira é dividida em duas partes, tratando, primeiro, do desenvolvimento cultural na bacia do Amazonas (pp. 120-123), e depois, do no Brasil Central e Meridional (pp. 123-127).
Complementam-no o capítulo intitulado "Cultural development in Latin America: An interpretative overview" de Betty J. Meggers (ibidem, pp. 131-145, figuras 17-20) e 2 apêndices (pp. 146 e 148, 2 tábuas fora do texto).
Cf. os comentários de Sílvia Maranca na Revista do Museu Paulista, N. S., XV, São Paulo 1964, pp. 431-435, e de Bente Bittmann Simons, ibidem, XVI, 1965/66, pp. 383-385.


* * *


SILVA, Fernando Altenfelder

  • Culturas pré-históricas do Brasil. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 2, São Paulo 1967, pp. 17-30. Bibliografia.

Trata do estado atual da Arqueologia Brasileira.


* * *


SILVA, Mauricio Paranhos da

  • Archéologie de la Guyane brésilienne. Bulletin N° 9 de la Société Suisse des Américanistes, Genève 1955, pp. 1-16. Bibliografia.

Sinopse da arqueologia do Território do Amapá considerando principalmente os trabalhos de Betty Meggers e Clifford Evans.


* * *


SILVA, Walter

  • Incidência do bócio endêmico sôbre índios brasileiros. Incidence of endemic goiter among the Brazilian Indians. Boletín Indigenista, XIX, n. 1, México 1959, pp. 24-27.

O autor da presente nota publicada em português e inglês sôbre pesquisas em algumas áreas bocígenas do planalto central do Brasil habitadas simultâneamente por índios e brancos encontrou índices de incidência da doença três vêzes mais elevados nestes do que naqueles. Conclui que "tudo leva a crer que os índios puros, no Brasil, estão resguardados até certo ponto contra o bócio endêmico e que essa defesa repousa nos seus hábitos de vida, principalmente no que tange à alimentação." (p. 26).


* * *


SILVEIRA, Alvaro Astolpho da

  • Memoria chorographica. Bello Horizonte 1921/22, xlix, 703 pp. in-8°, 287 pranchas fora do texto; errata: 4 pp.

Contém referências às pinturas rupestres da serra do Garimpo (pp. 231-232), ligeiras notas sôbre os Botocudos do rio Doce (pp. 521-527 e 545-546), um vocabulário de sua língua (pp. 529-543) e alguns dados sôbre os Purí do ribeirão S. Manoel (pp. 546-547).


* * *


SIMÕES, Mário E.

Depois de historiar os contactos dos brancos com os Juruna, Kaiabi, Kaiapó, Suiá e Akuê-Chavante, o autor trata dos Txikão, "denominação atualmente dada pelos xinguanos a um grupo hostil e arredio, de filiação lingüística não identificada, habitando a região compreendida entre os cursos médios dos rios Batovi e Jatobá" (p. 89). Relata as hostilidades entre êles e tribos vizinhas, descreve alguns objetos de sua cultura material existentes no Museu do Índio e, através de fotografias aéreas, sua aldeia, ventilando, por fim, hipóteses sôbre sua identificação com tribos mencionadas na literatura.


* * *


SIMÕES, Mário F.

  • Considerações preliminares sôbre a arqueologia do alto Xingu (Mato Grosso). Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas, Museu Paraense Emílio Goeldi; Publicações Avulsas, 6. Belém 1967, pp. 129-144, 1 mapa no texto, 7 pranchas fora do texto, resumo em inglês. Bibliografia.

Notas sôbre a pesquisa realizada pelo autor, em 1966, em 7 sítios arqueológicos do curso superior do Xingu e 5 dos arredores do baixo Culuene.


* * *


SIMÕES, Mário F.

  • Resultados preliminares de uma prospecção arqueológica na região dos rios Goiapi e Camará (ilha de Marajó). Atas do Simpósio sôbre a Biota Amazônica, II (Antropologia), Belém do Pará 1967, pp. 207-224, 1 mapa, 6 figuras, 3 gráficos e 4 tabelas no texto, resumo em inglês. Bibliografia.

Dos 16 sítios prospeccionados pelo autor, "10 pertencem à fase Marajoara (7 sítios-cerimoniais e 3 sítios-habitações), 5 à fase Formiga e 1 à fase Ananatuba" (p. 222).


* * *


SIMONS, Bente Bittmann

  • Pottery from the State of São Paulo; Brazil: A study of decorated Sherds and Vessels. XXXVI Congreso Internacional de Americanistas, España 1964, Actas y Memorias, I, Sevilla 1966, pp. 459-472, 2 pranchas e 1 mapa no texto, 2 pranchas fora do texto. Bibliografia.

Importante contribuição para a arqueologia paulista, especialmente para o estudo da cerâmica tupi-guarani.


* * *

This site is part of the Etnolinguistica.Org network.
Except where otherwise noted, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.