Bibliografia Crítica da Etnologia Brasileira, Volume II (Baldus 1968)

A transcrição dos 1049 verbetes contidos no segundo volume da Bibliografia Crítica da Etnologia Brasileira foi concluída em janeiro de 2019. O volume inclui, ainda, 58 acréscimos (novas edições, reimpressões, etc.) referentes a items incluídos no primeiro volume.


SCHULTZ, Harald

Essas impressões duma viagem realizada pelo autor em 1947, descendo o Araguaia e visitando, depois, os Krahó, contêm interessantes dados sôbre esta tribo gê.


* * *


SCHULTZ, Harald

  • Here come the Umutinas. Natural History, LXV, New York 1956, pp. 20-27, 76-83 e 106, 25 figuras e 1 mapa no texto.

Narração das aventuras do autor, contendo dados preciosos acêrca dêsses índios de Mato Grosso e reprodução de fotografias de alto valor etnográfico.


* * *


SCHULTZ, Harald

  • Children of the Sun and Moon. The National Geographic Magazine, CXV, n. 3, Washington 1959, pp. 340-363, 19 figuras (13 coloridas) e 1 mapa no texto. — A versão italiana, com modificações na ilustração, saiu sob o título Krahó, figli del sole e della luna, em Atlante, III, n. 11, Novara 1962, pp. 401-427, 36 figuras (21 coloridas) e 1 mapa no texto.

O texto e as excelentes fotografias dão, em conjunto, boa idéia da vida dos Krahó. Destacam-se as referências à caça, corrida de toros, organização social, mitologia e ao luto.


* * *


SCHULTZ, Harald

  • Tukana Maidens Come of Age. The National Geographic Magazine, CXVI, n. 5, Washington 1959, pp. 628-649, 22 figuras (14 coloridas) e 1 mapa no texto.

Detalhada descrição das cerimônias da iniciação de duas moças púberes, que o autor presenciou entre aquêles índios do Solimões. Destacam-se as referências à reclusão, epilação, pintura e enfeites de penas, bem como às danças de máscaras, às trombetas, tambores e chocalhos.

Roberto Cardoso de Oliveira, em seu livro sôbre os Tukuna (B. C. 2479, p. 49), considera o presente artigo como uma das «boas descrições» daquelas «festas de moça nova».


* * *


SCHULTZ, Harald

Em 1958 o autor passou duas semanas entre êsses índios da bacia do Japurá. Trata, especialmente, da aquisição do sustento, das businas e de outros aspectos da cultura material bem como do suicídio e entêrro duma índia. Acrescenta pequena lista de vocábulos makú (pp. 129-131).


* * *


SCHULTZ, Harald

  • Die Totenmatte der Umutina. Staden-Jahrbuch VII/VIII, São Paulo 1959/60, pp. 187-192, 2 pranchas fora do texto. — Reproduzido sob o título Nur eine Strohmatte… em Kosmos, 59. Jg., Stuttgart 1963, pp. 523-530, 6 figuras no texto.

Reflexões em tôrno da esteira em que são envolvidos os mortos dêsses índios.


* * *


SCHULTZ, Harald

Depois de tratar da distinção, feita por êsses Gê, entre médicos-feiticeiros bons e maus, o autor reúne informações sôbre a execução a tiros de espingarda de um dos últimos, ocorrida em 1959 e aprovada pela coletividade.


* * *


SCHULTZ, Harald

  • Blue-eyed Indian: A city boy's sojourn with primitive tribesmen in Central Brazil. National Geographic Magazine, CXX, n.1, Washington 1961, pp. 64-89, 29 figuras coloridas e 1 mapa no texto.

O presente artigo cujo título se refere ao filho do autor, é a descrição de uma visita feita por ambos aos Javahé. Apresenta interessantes dados sôbre êste subgrupo karajá.

Do mesmo assunto, mas com outras fotografias, trata Schultz em: Un bimbo bianco fra gli indios Javahé, Atlante, n. 6, Novara 1965, pp. 12-35, 38 figuras (17 coloridas) e 1 mapa no texto.


* * *


SCHULTZ, Harald

O autor que conviveu longamente com êsses índios do Alto Paraguai coordena suas observações feitas em 1943, 1944 e 1945 com dados de outros autores a fim de tratar não súmente da história e cultura material, mas também do ciclo de vida do indivíduo, dos têrmos de parentesco, da divisão de trabalho e de aspectos religiosos. Valor especial, pelo minucioso da descrição, tem o capítulo sôbre o culto aos mortos, bem ilustrado por numerosas pranchas (pp. 258-311), aliás o mais volumoso da volumosa obra. Importante é também a coleção de lendas (pp. 225-258). O capítulo lingüístico (pp. 99-105) consiste num estudo comparativo de umutina e bororo, de autoria de Aryon Dall'Igna Rodrigues.

Cf. o comentário de William H. Crocker no Handbook of Latin American Studies, XXVII, University of Florida Press, 1965, item 1249 c.


* * *


SCHULTZ, Harald

Às observações que fêz por ocasião de sua visita a essa tribo da região do alto Xingu, das quais se destacam as referentes ao botoque, à pesca e à fabricação de sal, o autor acrescenta uma lista de elementos culturais que lá encontrou.

Cf. o comentário de William H. Crocker no Handbook of Latin American Studies, XXVII, University of Florida Press, 1965, item 1249b.


* * *


SCHULTZ, Harald

  • Hombu. Urwaldleben der brasilianischen Indianer. Stuttgart 1962, iv, 35 pp. in formato gr., 1 mapa no texto, 127 figuras em pranchas fora do texto (sendo 17 coloridas). — Há edições em inglês e francês publicadas simultâneamente em Amsterdã, Rio de Janeiro, Nova Iorque e Paris.

A arte fotográfica se fundiu com a informação etnográfica para criar um lindo livro que encantará o grande público. Satisfaz, também, o estudioso de índios.

Depois de breves notas introdutórias sôbre os Krahó, Javahé e Karajá, Makú-Guariba, Umutina, Kaxináua, Suiá, Urukú e Tukuna (pp. 3-6), o autor descrevendo as fotos tiradas por êle, conta de muitas coisas que viu entre naquelas tribos (pp. 7-35). Não sòmente conta bem, mas relata fatos cuja observação exata enriquece a ciência. As excelentes pranchas nos aproximam mais da compreensão da vida indígena do que certos tratados eruditos.

Cf. os comentários de William H. Crocker em American Anthropologist, LXV, n. 5, Menasha 1963, pp. 1179-1180, e de Egon Schaden na Revista de Antropologia, XI, São Paulo 1963, pp. 126-127.


* * *


SCHULTZ, Harald

  • Brazil's Big-lipped Indians. National Geographic Magazine, CXXI, n. 1, Washington. 1962, pp. 118-133, 20 figuras (19 coloridas) e 1 mapa no texto. — Reprodução abreviada em Great Adventures with National Geographic, Washington 1963, pp. 430-437, 10 figuras coloridas no texto.

Interessantes notas sôbre os Suiá visitados pelo autor em 1960. Destacam-se as referências à fabricação de botoques, à extração do sal de cinzas vegetais e à pesca.

Cf. o comentário de William H. Crocker no Handbook of Latin American Studies, XXVII, University of Florida Press, 1965, item 1249.


* * *


SCHULTZ, Harald

  • Umutina: Totenkulttänze. E 74/1962, Encyclopaedia Cinematographica, Göttingen 1964, 14 pp., 3 figuras no texto. Bibliografia. — Krahó: Zubereitung eines grossen Maniokkuchens aus Anlass eines Festes. E 101/1962, ibidem, 11 pp., 2 figuras no texto. Bibliografia. — Krahó: Morgenzeremonie E 114/1962, ibidem, 11 pp., 2 figuras no texto. Bibliografia. — Krahó: Brandrodung. E 115/1962, ibidem, 8 pp., Bibliografia. — Krahó: Ritueller Stafettenlauf mit Holzklötzen. E 116/ 1962, ibidem, 12 pp., 2 figuras no texto. Bibliografia. — Krahó: Spinnen eines Baumwollfadens. E 430/ 1962, ibidem, 9 pp., 1 figura no texto. Bibliografia. — Krahó: Flechten eines Tragkorbes. E 432/1962, ibidem, 8 pp., 1 figura no texto. Bibliografia. — Krahó: Flechten einer Kokrit-Maske. E 433/ 1962, ibidem, 11 pp., 1 figura no texto. Bibliografia. — Krahó: Herstellen eines Pfeiles. E 434/ 1962, ibidem, 9 pp. Bibliografia. — Krahó: Fischzug. E 435/1962, ibidem, 13 pp., 2 figuras no texto. Bibliografia. — Krahó: Krankenbehandlung. E 436/1962, ibidem, 10 pp., 1 figura no texto. Bibliografia. — Krahó: Jagdzug der beiden Zeremonialgruppen. E 437/1962, ibidem, 14pp.,1 figura no texto. Bibliografia. — Krahó: Tanz der Kokrit-Masken. E 438/1962, ibidem, 9 pp., 1 figura no texto. Bibliografia. — Javahé: Flechten einer kleinen Matte mit fester Randleiste. E 439/1962, ibidem, 8 pp., 1 figura no texto. Bibliografia. — Javahé: Töpfern eines Köchgefasses. E 440/1962, ibidem, 11 pp., 4 figuras no texto. Bibliografia. — Javahé: Hakeln von Beinbinden. E 441/1962, ibidem, 9 pp., 1 figura no texto. Bibliografia. — Javahé: Aderlass durch Wundkratzen. E 442/ 1962, ibidem, 10 pp., 2 figuras no texto. Bibliografia. — Suyá: Bestellen eines Brandrodungsfeldes. E 444/1962, ibidem, 9 pp., 2 figuras no texto. Bibliografia. — Suyá: Fischfang durch Vergiften des Wassers. E 445/1962, ibidem, 10 pp., 2 figuras no texto. Bibliografia. — Suyá: Salzgewinnung aus Wasserpflanzen. E 446/1962, ibidem, 10 pp., 3 figuras no texto. Bibliografia. — Suyá: Schnitzen einer Lippenscheibe. E 447/1962, ibidem, 10 pp., 2 figuras no texto. Bibliografia. — Suyá: Herstellen eines Pfeiles. E 448/1962, ibidem, 11 pp., 2 figuras no texto. Bibliografia. — Karajá: Knüpfen eines Federkopfschmuckes (Lori-Lori). E 452/1962, ibidem, 9 pp., 1 figura no texto. Bibliografia. — Karajá: Fischfang durch Vergiften des Wassers. E 453/1962, ibidem, 9 pp., 3 figuras no texto. Bibliografia. — Karajá: Fangen eines Arapaima gigas mit Grundnetz. E 454/1962, ibidem, 11 pp., 3 figuras no texto. Bibliografia. — Karajá: Knüpfen einer grossen Matte. E 445/1962, ibidem, 9 pp., 1 figura no texto. Bibliografia. — Schukaramai (Kayapó ): Essen, Trinken und Rauchen eines Mannes mit Lippenscheibe. E 473/1962, ibidem, 7 pp., Bibliografia. — Krahó: Weben eines Kindertraggurtes. E 431/1962, ibidem, Göttingen 1965, 9 pp., 1 figura no texto. Bibliografia.

Comentários etnográficos a filmes feitos pelo autor, tratando os sôbre os Umutina de danças do culto aos mortos; os sôbre os Krahó do preparo dum beiju, duma cerimônia matinal, da roçada, da corrida de toros, da fiação, do trançar de um cêsto de carga e de uma máscara, do fabrico de uma flecha, da pesca, do tratamento de doentes, da caça de ambos os grupos cerimoniais e de dança de máscaras, da tecelagem de uma faixa para carregar criança; os sôbre os Javahé do trançar duma esteira, do fabrico duma panela de barro e duma joelheira de algodão feita a crochê, bem como da escarificação; os sôbre os Suiá do plantio de mandioca e milho, da tinguijada, da extração do sal de cinzas vegetais, do preparo e uso do botoque e do fabrico de uma flecha; os sôbre os Karajá do preparo de um enfeite de penas, da tinguijada, da pesca do pirarucu e do fabrico de uma esteira; os sôbre os Kaiapó da ação de comer, beber e fumar dum homem usando botoque.


* * *


SCHULTZ, Harald

  • Fra i Tucuna dell' Alta Amazzonia. Atlante, IV, n. 4, Novara 1963, pp. 121-153, 53 figuras (31 coloridas) e 1 mapa no texto.

Nesta bem ilustrada descrição da cerimônia da iniciação da moça tukuna, o autor destaca os preparativos dando informes sôbre aspectos da cultura material como embarcações, habitação, preparo de alimentos, instrumentos de música e máscaras.


* * *


SCHULTZ, Harald

  • Gli indios makú, i piu sporchi dell' Amazzonia. Atlante, IV, n. 41., Novara 1963, pp. 561-587, 42 figuras (23 coloridas) e 1 mapa no texto.

Valioso complemento ao artigo sôbre os mesmos índios publicado pelo autor na Revista do Museu Paulista (B. C. 2650), principalmente a respeito da aquisição do sustento e preparo dos alimentos.


* * *


SCHULTZ, Harald

  • Indians of the Amazon Darkness. National Geographic Magazine, CXXV, n. 5, Washington 1964, pp. 736-758, 28 figuras coloridas e 2 mapas no texto.

Trata da visita que, em 1962, o mestre da fotografia etnográfica fêz aos Erigpagtsá («Canoeiros») do alto Juruena. Destaca-se material sôbre aquisição do sustento, preparo de alimentos, fiação e flautas.


* * *


SCHULTZ, Harald

Trata, principalmente, dos contactos dêstes índios com os brancos, de sua indumentária, habitação, aquisição do sustento, alimentação, medicina e higiene.


* * *


SCHULTZ, Harald

  • Isto é a Amazônia. Prefácio de Rubens Rodrigues dos Santos. São Paulo 1964. 15 pp., 114 figuras em pranchas fora do texto.

Álbum de fotografias tiradas pelo autor, muitas delas de índios do Brasil e as das figuras 20-22 de cerâmica marajoara conservada no Museu Paulista.


* * *


SCHULTZ, Harald

  • The Waurá, Brazilian Indians of the hidden Xingu. National Geographic Magazine, CXXIX, n. 1, Washington 1966, pp. 130-152, 27 figuras coloridas e 1 mapa no texto.

Tanto o texto como as ilustrações contêm material importante sôbre esta tribo aruak tão citada e tão insuficientemente conhecida. Destacam-se os dados sôbre a arte, bastante desenvolvida, da pintura do corpo, e ainda sôbre o xamanismo e a pesca. Em 1964 restavam 85 dêsses índios (p. 132). Em 1957, foram calculados em 100 a 250 (Darcy Ribeiro: Culturas e línguas indígenas do Brasil, B. C. 2557, p. 97), em 1948, em 95 (Pedro E. de Lima: Distribuição dos grupos indígenas do alto Xingu, B. C. 2346, p. 169).


* * *


SCHULTZ, Harald

  • Lendas waurá. Revista do Museu Paulista, N. S., XVI, São Paulo 1965/66, pp. 21-149.

Em 1964, o autor obteve êstes textos em português sertanejo de um índio, filho de mãe waurá e pai kustenau que os traduziu das gravações em língua original ditadas por um velho waurá. Acrescentando-lhes resumos, comentários e glossário, oferece importante contribuição à mitologia.


* * *

This site is part of the Etnolinguistica.Org network.
Except where otherwise noted, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.