A carta de Caminha como fonte etnográfica (Baldus 1954)

por Herbert Baldus

  • Caminha, Pero Vaz de. 1500. Carta a El Rei D. Manuel. Datada "deste porto seguro da vosa jlha da vera cruz oje sesta feira prim.o dia de mayo de 1500". Cópia facsimilar do original arquivado na Torre do Tombo.

A primeira notícia foi dada logo após a chegada de Cabral. Pero Vaz de Caminha, escrivão da frota portuguêsa, redigiu, em 1500, sua célebre carta ao rei Dom Manuel. Assim, a história da Etnologia Brasileira principia com o descobrimento do Brasil.

[…]

A exatidão de Vaz de Caminha é demonstrada, por exemplo, pela seguinte descrição do tembetá: “Ambos traziam os beiços de baixo furados e metidos nêles seus ossos brancos e verdadeiros, do comprimento de uma mão travessa, da grossura dum fuso de algodão, agudos na ponta como furador. Metem-nos pela parte de dentro do beiço; e a parte que lhes fica entre o beiço e os dentes é feita como roque-de-xadrez, alí encaixado de tal sorte que não os molesta, nem os estorva no falar, no comer e no beber.”

O número de dados etnològicamente aproveitáveis é maior, nessa carta de 1500, do que em outros documentos do comêço do século XVI que se referem a índios do Brasil. Além disso, Vaz de Caminha não sòmente evita desfigurar os fatos observados, como chega a exprimir sua opinião sôbre os habitantes da terra descoberta com as palavras seguintes: “Segundo o que a mim e a todos pareceu, esta gente não lhes falece outra coisa para ser tôda cristã, senão entenderem-nos.” Formar tal conceito acêrca de representantes duma cultura completamente alheia à sua, revela uma tendência que poderemos chamar de “etnocentrífuga”.

A mesma ausência de preconceitos, determinados pelos valores morais de seu próprio povo, é demonstrada pelo autor da carta quando escreve que uma índia tinha “suas vergonhas tão nuas, e com tanta inocência descobertas, que nisso não havia vergonha alguma.”

[…]

Com êsse documento, o autor inaugurou, de maneira mais brilhante, a Etnografia do Brasil. Admirável é a sua capacidade de observação e não menos louvável a sua objetividade na descrição dos fatos. O encanto de seu estilo não pode ser superado. Os dados referem-se aos índios brasileiros encontrados pela armada de Pedro Álvares Cabral, tornando provável terem sido Tupi êsses índios.

  • In Baldus, Herbert. 1954. Bibliografia Crítica da Etnologia Brasileira, Introdução, p. 9-10; verbete 271, p. 153. São Paulo: Comissão do IV Centenário da Cidade de São Paulo, Serviço de Comemorações Culturais.

Publicado originalmente no Tumblr da Biblioteca Digital Curt Nimuendajú, 6/feb/2015

This site is part of the Etnolinguistica.Org network.
Except where otherwise noted, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.