2173

<

>



FRIKEL, Protásio
  • Morí ― a festa do rapé. Índios Kachúyana; rio Trombetas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, N. S., Antropologia, n. 12. Belém do Pará 1961, 34 pp., 4 figuras no texto, 3 pranchas fora do texto, resumo em inglês. Bibliografia.

"Morí, na língua dos Ingarüne-Kachúyana tem um duplo significado: Primeiramente é o rapé indígena, o paricá e, por extensão, o rapé feito de tabaco; em segundo lugar, é a festa do rapé." (p. 1). O autor descreve detalhadamente esta festa religiosa dos homens, acrescentando uma lista de têrmos referentes a ela (pp. 30-32) e indicando a literatura para o estudo comparativo sôbre o uso de paricá (pp. 33 e 34). Convém incluir nesta bibliografia as publicações de Hans Becher: Die Surára und Pakidái, zwei Yanonámi-Stämme in Nordwestbrasilien (B. C. 1881), Georg Seitz: Hinter dem grünen Vorhang (B. C. 2678), e S. Henry Wassén: The use of some specific kinds of South American Indian Snuff and related Paraphernalia (B. C. 2778).

(p. 304)

This site is part of the Etnolinguistica.Org network.
Except where otherwise noted, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.