0480

<

>



FERNANDES, Florestan
  • A junção social da guerra na sociedade tupinambá. Revista do Museu Paulista, N.S., VI, São Paulo 1952, pp. 7-425, 16 pranchas fora do texto. Bibliografia. - O capítulo 2 da segunda parte ("Os fundamentos guerreiros do comportamento coletivo") foi traduzido para o francês por Suzanne Lussagnet sob o título "La gaerre et le sacrifice humain chez les Tupinamba" e publicado no Journal de la Société des Américanistes, N.S., XLI, fase. I, Paris 1952, pp.139-220, 1 tabela fora do texto. Bibliografia.

Esta obra monumental tem de ser estudada e re-estudada por todos os que se ocupam com a Etnologia Brasileira. É dividida em três partes, tratando a primeira da tecnologia guerreira, isto é, do armamento e da organização das atividades guerreiras. A segunda parte é intitulada "Os mecanismos tribais de contrôle social e a guerra", tendo as seguintes subdivisões 1) A socialização e a guerra: A) Os ideais guerreiros na formação da personalidade masculina; B) Repercussões da guerra na estrutura social, a) condições e efeitos sociais na participação das atividades guerreiras, b) a situação social dos cativos. 2) Os fundamentos guerreiros do comportamento coletivo: A) Os ritos de "destruição" dos inimigos; B) O significado e função dos ritos de "destruição" dos inimigos. A terceira parte resume os resultados da presente monografia no que diz respeito ao conhecimento da sociedade tupinambá e ao estudo sociológico da guerra.

(p. 236)

This site is part of the Etnolinguistica.Org network.
Except where otherwise noted, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.