0333

<

>



COMAS, Juan 1900-
  • Bibliografia morfologica humana de America del Sur. Ediciones del Instituto Indigenista Interamericano. México 1948. Primeira parte: tetxo, xxiv, 208 pp. in-8º., índices alfabéticos de matérias, nomes de grupos humanos e nomes geográficos; segunda parte: 8 mapas (Formato grande).

A presente bibliografia contém 2971 títulos, muitos dêles acompanhados de resumidos informes acêrca do conteúdo das obras em aprêço. É um trabalho de grande utilidade para todos que estudam o índio do Brasil.

Naturalmente, um empreendimento pioneiro dessa espécie não pode ser isentos de senões. É a vontade de colaborar modestamente com eminente antropólogo mexicano que me leva a apontar alguns dêles.

No número 2968 é confundido o nome do autor, pois a citada "Memoria" é de José Maria de Paula e não de Geraldo H. de Paula Souza.

O autor não menciona as seguintes obras: Karl von den Steinen: Durch Central-Brasilien, Leipzig 1886, que contém, pegados à p. 364, quadros com dados antropométricos dos Bakairi, Kajibi, Pareci, Kustenau e Juruna; Fritz Krause: In den Wildnissen Brasiliens, Leipzig 1911, que apresenta dados de Antropologia-Física acêrca dos Karajá (pp.180-185), Javahé (pp.353-354) e Kaiapó (pp.370-372); Max Schmidt: Indianerstudien in Zentralbrasilien, Berlin 1905, cujo décimo capítulo (pp.294-298) trata do aspecto físico dos Guató; Maximilian Prinz zu Wied-Neuwied: Reise in Brasilien in den Jahren 1815 bis 1817, Frankfurt a.M. 1820, 1821, que contém boas observações sobre o pigmento cutâneo dos índios e valiosos retratos de crânio e cabeças de Botocudos. Aliás, êsses quatros livros foram editados também no Brasil, em versão portuguêsa.

Falta citar, também, as grandes coleções de excelentes fotografias antropológicas de diversas tribos reproduzidas por Hans Krieg: Chaco-Indianer, ein Bilderatlas, Stuttgart 1934, e pelo general Cândido Mariano da Silva Rondon: Índios do Brasil do centro ao noroeste e sul de Mato-Grosso, vol. I, Publicação Nº. 97 do Conselho Nacional de Proteção aos Índios, Rio de Janeiro 1946.

Convém acrescentar, ainda, as seguintes publicações saídas em 1947: Emílio Willems: Cunha, tradição e transição em uma cultura rural do Brasil (Secretaria da Agricultura, São Paulo), que contém, como segunda parte, uma "contribuição para o estudo antropométrico da população de Cunha" (pp.176-234); a "Contribuição para o estudo antropométrico dos índios Tereno" do mesmo autor, publicada no volume I da Nova Série da Revista do Museu Paulista, pp. 129-152; as "Contribuições ao estudo de alguns sambaquis da ilha de Santo Amaro" de Biocca, Hoge e Schreiber, insertas no mesmo volume, pp.153-171 e 29 pranchas, contendo referências a esqueletos escavados; e o artigo de Pedro E. de Lima: "Impressões digitais dos índios Tenetehára", Boletim do Museu Nacional, N.S., n. 7, Rio de Janeiro, 11 pp.

A segunda parte da obra do dr. Juan Comas reproduz mapas da América do Sul, mostrando a distribuição do índice médio de altura craniana (segundo T. D. Stewart), da estatura em diversos grupos indígenas (segundo M. Steggerda), do índice cefálico horizontal (segundo R. Biasutti), das deformações crauianas intencionais, a racial (segundo J. lmbelloni) e a das línguas (segundo Krickeberg).

(p. 177)

This site is part of the Etnolinguistica.Org network.
Except where otherwise noted, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.