0268

<

>



CALIXTO, Benedicto 1853-1927
  • Os primitivos aldeiamentos indigenas e indios mansos de Itanhaen. Revista do Instituo Historico e Geographico de S. Paulo X (1905), São Paulo 1906, pp. 488-505.

Lemos neste artigo escrito em 1902: "A tribo indígena que habita o município de Itanhaem está dividida hoje em dois pequenos grupos aldeiamentos: um no rio Itariry, nos sertões de Peruhybe, ha dois dias de viagem desta povoação, e o outro no Bananal, dois dias de viagem da vila de Itanhaem. O aldeiamento de Itariry compõe-se de cinco famílias… O aldeiamento do Bananal compõe-se de oito famílias." (p. 500) "Êstes índios estão em comunicação constante com os outros que habitam o aldeiamento de S. João Baptista do Rio Verde. São ambos da mesma tribo e dizem: 'Somos a mesma gente'. De fato: todos êsses índios mansos descendem de uma numerosa tribo de Caiuá, ou Guainá, descendentes da grande nação Guainaz ou talvez um ramo da Nação Tupy, que habitava o planalto no tempo da descoberta e que, desde o começo do século passado, 1819, segundo referem alguns cronistas, vagava errante pelos sertões meridionais da Província de São Paulo…" (p. 501).

Os índios que habitavam, em 1927, o litoral paulista, entre Itanhaem e Peruíbe, foram visitados e descritos por Hebert Baldus (Indianerstudien etc., pp. 203-216).

Sôbre a procedência e a triste sorte dos índios do aldeiamento do Itariri informa M. Pio Corrêa ("Municipio de Iguape"), Revista do Instituo Historico e Geographico de São Paulo XI [1906], São Paulo 1907, p. 122), que também comentou êste trabalho de Benedicto Calixto (ibidem, pp. 155-156).

(p. 152)

This site is part of the Etnolinguistica.Org network.
Except where otherwise noted, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.