0031

<

>



ALMEIDA, A. Ozorio de
  • A acção protectora do Urucú. Nota sobre a substância corante usada para pintura da pelle pelos indios da America tropical. Boletim do Museu Naciocnal VII, Rio de Janeiro 1931, pp.3-8.

O autor chega às seguintes conclusões (p. 8): "Untados de urucu se acham os índios tão bem protegidos contra a ação actínea do sol como se estivessem vestidos com tecidos espessos, qual usam as tribos do Sahara. Entretanto por se acharem nús, o ar circula livremente em tôrno do corpo, roubando calor pelo seu contacto e acelerando a evaporação do suor. Si se expõe ao sol, é propriedade do urucu acime verificada, não absorver senão muito moderadamente o calor solar, refletindo os raios vermelhos e também os raios caloríficos; daí não exigir o homem branco ou pouco pigmentado, untado de urucu, um excesso de sudação, como se dá com o negro, nessas circunstâncias. Sendo dadas essas propriedades do urucu, que as nossas experiências mostram, e considerando-se a generalidade de seu uso entre os índios tropicais da América, pensamos que se devem considerar seu emprêgo, não como simples adôrno, mas como meio eficaz de proteção contra a luz e o calor tropicais."
Discordo do autor, pois, a suposta "generalidade" do uso do urucu só pode referir-se à vasta difusão geográfica, mas não ao emprêgo diário, nem à aplicação ao corpo inteiro e a todos os indivíduos. Nas tribos que conhecemos, só determinadas pessoas untam-se de urucu, geralmente só em determinadas partes do corpo, e nunca todos os dias.

(p. 56)

This site is part of the Etnolinguistica.Org network.
Except where otherwise noted, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.