Max Schmidt (1874-1950)

Sobre o autor:

  • Baldus, Herbert. 1951. Max Schmidt 1874-1950. Revista do Museu Paulista, Nova Série, vol. V, p. 253-260:

"Na edificação da Etnologia Brasileira, colocando pedra sôbre pedra, Max Schmidt foi artífice honesto e diligente. Naturalmente, nem todos podem ser arquitetos. Schmidt não tinha a personalidade imponente e brilhante que se reflete nas obras de Karl von den Steinen, nem a pertinácia fanática que levou Nimuendajú a enquadrar-se no vida dos índios ao ponto de penetrar mais que qualquer outro, antes dêle, no mecanismo da organização social e em outros aspectos da cultura não-material. Mas enquanto se estudar indios do Brasil, o nome de Max Schmidt será lembrado como do esclarecedor de importantes problemas ergológicos, econômicos e jurídicos, e fonte indispensável para o conhecimento de várias tribos mato-grossenses." [leia mais]

Obras disponíveis:

Links externos:

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"userName":"Biblioteca Digital Curt Nimuendaj\u00fa","size":"small","perPage":"20","limitPages":"1","tags":"Max_Schmidt"}}
This site is part of the Etnolinguistica.Org network.
Except where otherwise noted, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.